3 anos e muito o que sentir

Cheguei numa fase da maternidade que, tenho a impressão, é uma das mais importantes na formação de um indivíduo, no caso o meu mais velho, que está com 3 anos. É a fase em que ele começa a entender um pouco da dinâmica familiar e da vida.

Ele sabe que “mamãe vai trabalhar”, “papai vai trabalhar”, “Naná vai buscar ele na escola”, “a vovó me dá bala”, “o Pedro disse que sou feio”. A interação com o mundo começa de verdade agora. E ele já sabe contar e explicar as coisas. Ele se lembra dos fatos do dia dele. Ele sabe que quando dormiu aquele dia de tarde na casa da vovó a mamãe estava lá, mas quando acordou, a mamãe tinha saído.

A primeira vez que tivemos uma conversa ao telefone, com direito a “um beijo, mamãe. Tchau!”, foi emocionante. Agora não dá mais pra achar que ele é indefeso. É, ainda, mas está começando a aprender a se defender do mundo, seja se comunicando com a gente, seja batendo de volta.

É uma fase complicada em que você precisa ensinar a uma criança que bater nos outros não é aceitável, mas apanhar também não é legal. E aí, como se resolve essa equação? Se o colega disse que ele é feio, você fala o que para a criança? Claro que eu falei que ele é o garoto mais lindo do mundo (o que é a mais pura verdade), mas eu precisei me segurar pra não mandar ele chamar o outro de feio também. Mas me recuso a ensinar ele a abaixar a cabeça para um insulto desse. Me recuso a ensinar a ele pra apanhar calado.

Estamos chegando a uma fórmula lá em casa, que tem dado resultado: me mostre ou fale o que você está sentindo. Você está com raiva? Tem maneiras de mostrar isso (pacificamente). Está de mau humor – me mostre! Está feliz, expresse! Com sono? Peça pra dormir.

E sabe qual é o melhor jeito de fazer isso funcionar? Respeitando os sentimentos dele. Acreditando que, quando ele demonstra raiva, ele realmente tem um motivo bom para ter raiva. Ou se ele está triste, ele tem uma razão. Nao há nada pior que ignorar o que ele sente, ou achar que é pouco. Pode ser pra você e seus problemas de adultos. Pra ele certamente nao é. Escutar o seu filho é uma das coisas mais importantes que você pode fazer por ele.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s