BFF*

Hoje em dia está fácil manter amizades. O Facebook está aí pra te deixar atualizado não só da vida dos seus amigos, dos seus conhecidos, como dos amigos dos amigos, do vizinho, do cachorro mais famoso do bairro, do filho da prima de terceiro grau, da ex-namorada do primo. Só não acompanha quem não quer.

Featured image
Lá na escola do meu filho, as mães tem um grupo no whapp e, entre todos os assuntos relativos aos pequenos, às vezes sai uma combinação de programinha entre as crianças. E elas adoram sair com os coleguinhas para lugares fora da escola, é sempre uma farra.

Eu tenho amigas de longa data – a amizade mais antiga já dura 29 anos. E tenho outras que são desde quando a gente era da idade do meu filho mais velho, 3, 4 anos. E quero muito que Tomás e Olívia tenham e mantenham os amigos. Que esses amigos sejam tão importantes para eles quanto essas meninas são para mim. Já falo logo que minha “alma gêmea” foi estagiária comigo no trabalho. E nada mais nada menos do que a minha comadre eu conheci na adolescência. Portanto, é natural que meus filhos também façam boas amizades fora da infância, ao longo da vida

É uma das minhas missões ensinar a eles a importância de se ter amigos. Amizades que podem começar num parquinho, na escola, na faculdade, no trabalho; de 30, 15, 10 anos, ou uma semana… Amigos com quem eles podem contar, confiar, se aconselhar e a quem possam fazer confissões. Jogar o jogo da verdade, salada mista. Amigos que possam ensinar coisas que os pais deles não podem por questões morais. Que possam ser cúmplices quando matarem aula para ir para a praia, que possam dar cola numa prova, ser álibi da hora de dormir fora de casa, estudar juntos. Que meus filhos aprendam a defender um amigo independente dele estar certo ou errado.

Mas quero que eles aprendam, principalmente, a ouvir os amigos deles! Não é (só) sentar numa mesa e escutar, não. É ouvir, entender, compreender e saber ficar calado na hora certa. E olha, nada disso se faz com um Facebook da vida, ou qualquer outra nova tecnologia que vai surgir por aí. A fórmula é velha: é cara a cara, do mesmo jeitinho que minha mãe fez com as amigas dela, minha avó com as dela, eu com as minhas.

*Dedicado às minhas melhores amigas!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s