Coisas que nos acalmam

Pode ser uma cena lá de casa ou da do vizinho, é tudo igual. O filho chora, berra, e você começa falando num tom zen. Ele chora e berra mais alto, você fala um pouco mais alto. Ele insiste tanto no berro que você parte pro ataque: primeiro ameaça de castigo, depois na base da chantagem e por último, recompensa para parar o choro. Ele segue nos gritos, você desiste e cede, perdendo a batalha do dia.

meditaTem horas que a gente realmente não sabe o que fazer para acalmar eles. Lá em casa tem também, mas isso está mudando, desde que fui apresentada à expressão Mindfulness por uma amiga. Ela contou que tinha ensinado uma técnica com esse nome para ajudar a filha a conseguir identificar uma agitação e uma ansiedade nela mesma e conseguir se acalmar sozinha nesses momentos. Explicou que tinha a ver com concentração, respiração… Aquilo era incrível e martelou na minha cabeça por muitas semanas. Eu nem sabia o que era, mas já tinha amado a expressão, em tradução livre, algo como “plenitude da mente”. Só de pensar já me dava a tal plenitude.

Essa minha amiga tem uma vida mais calma que a minha, uma rotina diferente com a filha e o filho dela numa cidade menor que o Rio de Janeiro, onde as coisas acontecem num ritmo diferente. Mas mesmo com essa diferença, achei que poderia ensinar alguma técnica nessa linha para meu filho. E foi isso: peguei uns minutinhos de uma hora calma em casa e ensinei a ele uma respiração mais profunda e lenta. Insistimos no exercício algumas vezes. Ele amou o momento.

Na primeira birra, pedi que ele fizesse a tal respiração. Pedido ignorado. Mas lá pra centésima birra, eu pedi e ele fez. Se acalmou um pouco, e assim temos ido, cada vez com mais sucesso. O pouco progresso que tivemos durante as birras ká me deixou muito feliz.

E agora que eu parei para pesquisar o que exatamente é a técnica de Mindfulness, descobri que é um super trabalho de meditação, conscientização do “agora” e do “aqui” na mente e no corpo. Como a vida lá em casa se encaixa nos “tá corrido pra todo mundo” e “não ta fácil pra ninguém”, eu mesma não tenho conseguido parar para aprender a meditar, muito menos ensinar uma técnica mais profunda como essa. Por isso, achei interessante umas dicas com sete maneiras diferentes de se conseguir chegar mais perto do “mindfulness desejado” e que podem ser facilmente adaptadas a uma família, digamos, moderna.

As dicas estão aqui, mas reproduzo parte delas:

  1. Escute o sino

Toque um sino e peça às crianças para ouvirem atentamente a vibração do som. Diga-lhes para permanecer em silêncio e levantar as mãos quando já não ouvirem o som do sino. Em seguida, diga-lhes para permanecerem em silêncio durante um minuto e prestarem muita atenção para os outros sons que ouvem depois que o sino parou.

  1. Amigo da respiração

Distribua um bicho de pelúcia (ou outro objeto pequeno) para cada criança. Se o espaço permitir, fale para as crianças deitarem-se no chão e coloque os bichos de pelúcia em suas barrigas. Diga-lhes para respirarem em silêncio por um minuto e observarem como o seu amigo de respiração se move para cima e para baixo, e quaisquer outras sensações que notarem.

A presença do amigo de respiração faz com que a meditação seja um pouco mais amigável, e permite que as crianças percebam como uma atividade lúdica não tem necessariamente que ser agitada.

  1. Apertos

Enquanto as crianças estão deitadas com os olhos fechados, diga-as para apertarem e espremerem cada músculo de seus corpos o mais forte que puderem. Diga-lhes para esmagarem seus dedos e pés, apertarem os músculos de suas pernas até seus quadris, apertarem suas mãos e elevarem os ombros até suas cabeças.

  1. Cheire e sinta

Passe algo perfumado para cada criança, como um pedaço de casca de laranja fresca, um raminho de lavanda ou uma flor de jasmim. Peça-lhes para fecharem os olhos e respirarem o perfume, concentrando toda a sua atenção apenas no cheiro desse objeto.

  1. A arte do toque

Dê a cada criança um objeto para tocar, como uma bola, uma pena, um brinquedo macio, uma pedra, etc. Peça-lhes que fechem os olhos e descrevam o objeto a um parceiro. Então, mude os parceiros.

  1. Coração pulsando

Fale para as crianças pularem para cima e para baixo durante um minuto. Então devem se sentar e colocar suas mãos em seus corações. Diga-lhes para fecharem os olhos e sentirem seus batimentos cardíacos, sua respiração, e ver o que mais notam em seus corpos.

  1. De coração para coração

Neste exercício, o significado de “coração” é menos literal. Em outras palavras, essa atividade também poderia ser chamada de “Vamos falar sobre sentimentos.” Então sente e confortavelmente peça às crianças para falarem sobre seus sentimentos. Quais sentimentos estão sentindo? Como sabem que estão sentindo esses sentimentos? Onde elas os sentem em seus corpos? Pergunte-lhes de quais sentimentos gostam mais.

Lembre-lhes que eles podem praticar sempre transformar seus pensamentos em bolhas se eles estiverem chateados, podem fazer os Apertos & a Meditação Relaxante se precisarem se acalmar, e também podem tirar alguns minutos para ouvirem sua respiração ou batimentos cardíacos se precisarem relaxar.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s